Max Gehringer

Max Gehringer

Todas as manhãs, ouço as rádios Band News e CBN, alternadamente. Ontem, Max Gehringer, um dos comentaristas da rádio CBN, deixou uma ótima mensagem.

Compartilho com vocês a mensagem sobre tecnologia e o escasso tempo livre que, atualmente, os profissionais enfrentam. Leia, abaixo, as palavras de Max Gehringer, ou ouça-as no site da CBN.

“Estou no mercado de trabalho já fazem 25 anos, escreve um ouvinte, e tenho a percepção de que no começo de minha vida profissional, os funcionários dispunham muito mais tempo livre. Hoje, mesmo podendo contar com notáveis avanços tecnológicos, para reduzir o tempo dedicado a cada tarefa, eu tenho a impressão de que trabalhamos bem mais horas diárias do que trabalhávamos, mas mesmo assim, nos sentimos como se estivéssemos sempre atrasados em relação aos prazos de conclusão de cada tarefa executada. Será que isso é só impressão minha?”

“Não, não é. É minha também. Eu acho que sua avaliação é correta. Para cada 60 minutos economizados com coisas que não fazemos mais, nós acrescentamos 90 minutos de coisas que antes não fazíamos.”

“O efeito da tecnologia é bem visível. Hoje, um funcionário administrativo, gasta, em média, 20% do seu tempo lendo e respondendo e-mails. Os que têm acesso a internet, gastam 1 hora diária navegando. Em qualquer escritório com mais de 10 funcionários, a cada momento, 1 deles, no mínimo, estará falando ao celular. A tecnologia também permitiu que muitas coisas que não podiam ser controladas há 25 anos, pudessem ser controladas hoje, através de planilhas com milhares de dados que se autoatualizam, quando novos dados são inseridos.”

“O resultado é que há 25 anos não existiam livros sobre a administração do tempo. Eu me lembro de só um, que chamava ‘O Gerente Minuto’. Hoje, por baixo, existe uma centena de títulos disponíveis sobre o tema. E também, existem cursos de gestão eficiente de tempo, algo que nem passava pela cabeça dos gestores há 25 anos.”

“Tudo isso é bom ou ruim? Depende da idade de quem pergunta. Quem, como o nosso ouvinte, tem a referência do passado para comparar com o presente, sente que o tempo ficou mais escasso. Mas quem já nasceu na era da tecnologia, não tem essa percepção.”

“Ao nosso atarefado ouvinte, eu diria que a tecnologia, que era antevista como um milagre que faria com que as pessoas trabalhassem menos horas com muito mais eficiência, só cumpriu 50% dessa profecia. A parte referente ao tempo, não se materializou.”

“Quanto ao futuro, certamente, a tecnologia continuará evoluindo em escala exponencial, mas a conclusão continuará sendo a mesma. Hoje, nós temos muito mais tempo sobrando que imaginamos, mas só vamos perceber isto com clareza daqui a 25 anos.”